Investimentos no Exterior

Carnê leão: o êxtase do investidor das Bolsas americanas

Alice Porto 06.08.2021 3 minutos de leitura
Carnê leão: o êxtase do investidor das Bolsas americanas

Investir nos EUA não é brincadeira. Assim como na modalidade brasileira, o investidor que opta pela gringolândia também tem obrigações fiscais para cumprir. Se esse é o seu caso, você precisa saber: seus rendimentos dos EUA também devem ser declarados no IRPF e o carnê leão que vai te ajudar nessa missão. 

É verdade, investidor, além do pagamento de IR e cálculos mensais, você também deve preencher o carnê leão mensalmente, caso receba dividendos. Mas não precisa ficar triste, afinal, receber dividendos é bom demais. Isso significa que você está multiplicando seu dinheiro na Bolsa! 

Ah, e vale lembrar: não é obrigatório preencher o carnê leão. Caso queira, você pode preencher tudo diretamente no IRPF no dia da declaração em “Rendimentos Tributáveis Recebidos de PF/Exterior”. Porém, super recomendo o preenchimento do carnê, porque é ele que vai te falar se você tem ou não IR a pagar sobre esses dividendos. 

Isso mesmo, investidor, há casos em que você deverá pagar IR sobre seus dividendos recebidos no exterior. Preenchendo diretamente no IRPF você corre o risco de talvez pagar juros e multa sobre esse IR.

Escrevi esse artigo pensando especialmente em você, que está ganhando dividendos nas Bolsas gringas lá dos EUA, mas não sabe como informá-los ao leão. Separa caneta e papel e vem comigo nessa leitura. 

O que é carnê leão? 

Carnê leão é um sistema disponibilizado pela Receita Federal, que serve para você informar seus rendimentos recebidos.

O programa é uma forma de recolhimento mensal dos tributos e é nele que você deve informar toda a renda além do trabalho, como aluguel, dividendos e etc.

O próprio programa calcula seu imposto referente aos dividendos/rendimentos recebidos na Bolsa de Valores americana e, quando chegar a hora, você só precisa exportar as informações do carnê leão e importar no seu IRPF

Como acessar o programa?

O leão disponibiliza o programa online pelo leão e não tem mistério para acessá-lo:

  1. Em primeiro lugar você acessa o portal e-CAC, disponível no site da Receita Federal;
  2. Em seguida seleciona “Meu Imposto de Renda“;
  3. Depois, clica em “Declarações”;
  4. Por último, acessa o “Carnê Leão”

E pronto! Viu? Muito mole, né? Para ficar mais fácil do que isso, só com um e-book completo é gratuito ensinando tudo sobre a tributação na Bolsa americana. Parece sonho, mas é realidade: você pode adquirir o seu aqui.

Como preencher o carnê leão?

Preencher esse programinha é uma mão na roda e muito simples: você deve informar mês a mês todos os dividendos recebidos e o IR retido pelo governo americano, independente da empresa que te pagou. A conversão deve ser feita do dólar para o real.

Mas atenção: você deve converter para o real usando a cotação do dólar do último dia útil da primeira quinzena do mês anterior ao recebimento. Além disso, deve converter pelo dólar de compra.

Eita, encucou a cachola?

Se você recebeu dividendos em Setembro, deve converter para o dólar de compra do último dia útil anterior ao dia 15 do mês de Agosto. Fácil, né? 

Calendário para cotação do dólar na hora de preencher o Carnê Leão

Para preencher o carnê leão, você pode somar todo o rendimento recebido no mês e fazer um único lançamento (nesse caso pode usar qualquer data, contando que o mês esteja correto) ou então fazer um lançamento para cada rendimento. Fica a seu critério, beleza? 

Faz a mesma coisa depois com o IR retido lá fora, mas não pode esquecer que ele entra na opção “pagamentos”. Todas essas informações você consegue encontrar no seu extrato, sem erro.

Depois que tudo estiver pronto, é só importar na Declaração Anual no ano seguinte às suas operações.

Usar o carnê leão é sinônimo de alegria, investidor, afinal, só preenche quem ganha dividendos. Então comemore. E, se precisar, minha equipe de especialistas está aqui para resolver seu IR de Bolsas americanas

Alice Porto
Alice Porto Contadora da Bolsa
Alice Porto é graduada em Ciências Contábeis pela PUC Minas e tem 25 anos de experiência em gestão empresarial. Especializada em contabilidade para investidores da Bolsa de Valores, ela é fundadora do canal @contadoradabolsa e autora do livro "101 Perguntas e Respostas Sobre Tributação em Renda Variável".

Leia também