Declaração Anual

A DIRPF do investidor de Bolsa: tudo o que você precisa saber

Alice Porto 19.04.2021 3 minutos de leitura
A DIRPF do investidor de Bolsa: tudo o que você precisa saber

Se você investiu na Bolsa de Valores, ainda que tenha sido apenas R$1,00, já se torna obrigado a entregar a Declaração Anual, a famosa DIRPF – caso opere através do CPF. Se não entregar, pode arrumar sérios problemas com o leão da Receita Federal. 

Por aqui vou te ensinar tudo o que você precisa saber sobre a DIRPF, essa obrigação tão importante para os investidores da Bolsa de Valores.

O que é DIRPF? 

A DIRPF, ou Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física, é uma obrigação referente ao CPF, que você, como investidor da Bolsa de Valores, deve cumprir perante a Receita Federal anualmente, para garantir que ela está ciente quanto a movimentação do seu dinheiro. 

Operou R$1,00 na bolsa de valores? Então seu CPF já está na boca do leão e você vai precisar entregar a declaração anual para a Receita Federal. Não precisa nem analisar se:

  • você tem renda mínima anual; 
  • seu patrimônio é abaixo do limite;
  • é menor de idade ou aposentado;
  • fechou no prejuízo na Bolsa de Valores;
  • comprou ações, mas não vendeu.

Isso significa que se começou a investir na Bolsa, não tem pra onde fugir: precisa declarar, afinal, é a Declaração Anual que de fato vai te proteger das garras do leão.

Qual é o prazo para entrega da Declaração Anual?

O programa da Receita Federal, para preenchimento da declaração de IR da pessoa física, é liberado anualmente no início de março e fica disponível até o último dia de abril. Se passar desse prazo, você precisará entregar sua declaração em atraso e pagar multa por isso.

Para entregar a Declaração dentro do prazo determinado pelo leão da Receita, o ideal é que os seus cálculos de bolsa sejam feitos mês a mês para serem informados nela. Assim, no período de declarar, já está tudo pronto e você não vai precisar correr atrás de documentação. 

A Declaração Anual é sempre entregue no ano seguinte às suas movimentações. Se você movimentou em 2020, vai precisar preencher a DIRPF 2021 e assim sucessivamente. Clareou?  

O que devo informar na minha DIRPF? 

E a pergunta que não quer calar é: o que o leão da Receita Federal quer tanto saber? O que eu preciso informar na minha Declaração pra que ele não fique mais no meu pé?

A resposta é simples: a Receita Federal quer saber o que você anda fazendo com o seu dinheiro e averiguar se tem pagado seus impostos. 

leão da Receita Federal de olho na sua DIRPF

Para deixá-la bem informada, você precisa declarar, através da DIRPF, todas as suas movimentações na Bolsa de Valores, resultados mensais, títulos em carteira em 31/12 e seus proventos recebidos, ainda que tenham sido isentos de tributação. 

Além disso, informe também seus bens, gastos médicos, educacionais, odontológicos, seus dependentes e etc. 

E se eu não entregar minha DIRPF? 

Deixar de entregar sua Declaração Anual, meu caro investidor de Bolsa, é jogar seu CPF direto na boca do leão. Porque além de ter muita dor de cabeça, vai jogar dinheiro fora. E investidor que é investidor não gosta de jogar dinheiro fora, né?

Quando você deixa de declarar seus investimentos, corre sérios riscos de ter o CPF bloqueado, o que te impede de:

  • fazer algumas compras via cartão de crédito;
  • tirar passaporte e, por consequência, viajar, 
  • movimentar dinheiro;
  • fazer financiamento;
  • etc.

Chato, né? E, caso tenha o CPF bloqueado, para reverter esse problema, só informando todos os dados de bolsa na Declaração Anual mesmo, só que pior: em atraso. Ou seja, vai ter que entregar a Declaração de qualquer jeito, e ainda vai pagar multa. 

leão bloqueando o CPF do investidor que não entregou a DIRPF

Para evitar esses e outros problemas, é só manter os cálculos em dia e preencher sua DIRPF de investidor dentro do prazo. Não sabe como preencher? Fica tranquilo, porque tenho uma equipe de especialistas pronta pra resolver seu I.R.!

Alice Porto
Alice Porto Contadora da Bolsa
Alice Porto é graduada em Ciências Contábeis pela PUC Minas e tem 25 anos de experiência em gestão empresarial. Especializada em contabilidade para investidores da Bolsa de Valores, ela é fundadora do canal @contadoradabolsa e autora do livro "101 Perguntas e Respostas Sobre Tributação em Renda Variável".

Leia também